Como é ser cristão no Sudão

Como é ser cristão no Sudão

Como é ser cristão no Sudão

A perseguição não é uma simples violação da liberdade de religião para os cristãos sudaneses, nem uma sequência de incidentes isolados, mas um padrão cruel

O Sudão é o 5º país na atual Lista Mundial da Perseguição, o país subiu três posições em relação ao ano passado, quando ocupava o 8º lugar. Você consegue imaginar como vivem os nossos irmãos sudaneses? A perseguição não é uma simples violação da liberdade de religião para eles, nem uma sequência de incidentes isolados, mas um padrão cruel. Existe também um sistema político que visa fazer uma limpeza étnica nessa nação, onde cristãos não são bem-vindos e geralmente são tratados com muita hostilidade.

Historicamente, o islã tem raízes profundas na sociedade sudanesa, então há uma guerra sendo travada contra a igreja. O cenário do país já é violento por si só e nem mesmo a separação do Sudão do Sul, ocorrida em 2011, conseguiu amenizar essa situação, pelo contrário, causou grande tensão nas regiões fronteiriças, onde vivem muitos cristãos. Nos últimos anos, bombardeios feriram e mataram a muitos, além de destruírem casas, plantações e templos. Há milhares de famílias deslocadas e muitas igrejas são usadas como abrigos.

Cristãos são acusados e levados ao tribunal, muitos deles são presos e obrigados a pagar multas de altos valores por desobediência à legislação sudanesa e por crimes classificados como espionagem e apostasia. Ultimamente, essa situação tem sido cada vez mais comum. Leis de moralidade também são aplicadas de forma desproporcional contra aqueles que não seguem mais o islã. A discriminação é contínua contra os cristãos no país, que preferem os cultos nos lares para não chamar a atenção do governo e nem dos perseguidores. Interceda por eles.

Juntos pela África
Os cristãos de alguns países da África Subsaariana enfrentam uma das piores perseguições de sua história. No dia 11 de junho, data escolhida para o Domingo da Igreja Perseguida 2017, juntos faremos mais pelos nossos irmãos dessa região.

share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *